Bem-Vindos a "O Bar do Alcides"!

* O Bar do Alcides não faz favores a ninguém!
* É apolítico e imparcial!
* Todos os portugueses são vítimas da MAÇONARIA, que continua destruindo a nossa Nação!

sábado, 24 de outubro de 2009

Agência Financeira de 24.10.09: Pobreza estrutural em Portugal pode chegar aos 40%.


«Não aceito esta vergonha no nosso país», diz presidente da AMI

O presidente da Assistência Médica Internacional (AMI) afirmou esta sexta-feira, no Funchal, que a taxa de pobreza poderá rondar os 40 por cento se incluir o número de pessoas com rendimento social de inserção e complemento social para idosos.

«Não aceito esta vergonha no nosso país», disse o médico, durante o 3º congresso nacional dos economistas, acrescentando que existe uma «pobreza estrutural no país».

«Combater a pobreza é uma causa nacional», frisou ainda Fernando Nobre, que considera que uma análise mais profunda à situação poderá indicar que a taxa da pobreza em Portugal poderá rondar os 40%, se fossem tidos em conta os números dos que usufruem do rendimento social de inserção e do complemento solidário para idosos.

Frasquilho defende poupanças no Estado para pagar políticas sociais

O economista Miguel Frasquilho, também presente no Congresso dos Economistas, defendeu que a redução das despesas de funcionamento do Estado e da dívida externa assim como o crescimento robusto da economia para Portugal enfrentar os desafios futuros na área das políticas sociais.

Ao intervir no painel das políticas sociais no Congresso dos Economistas, este economista apontou que, para enfrentar as despesas ligadas às pensões e à Saúde, «que vão aumentar», Portugal tem que «actuar em outras áreas, nomeadamente ao nível das despesas de funcionamento do Estado com pessoal e consumos internos porque senão teremos a despesa pública a aumentar de forma explosiva».

Miguel Frasquilho considerou ser «insuportável» para a economia portuguesa mais um amento de impostos para ultrapassar os défices da dívida pública e externo pelo que defendeu a criação de medidas de robustecimento da economia portuguesa.